O Pulo do Gato

Rotina de pesquisa, campo e reflexões sobre conservação de forma casual e divertida. Posts em domingos alternados (domingo sim/domingo não). Acompanhe! Por Fernando Lima

A estranha jornada acadêmica

A estranha jornada acadêmica

Lembra da Tia Cotinha? Aquela sua tia do interior que você só vê no Natal? Então… dezembro está chegando. Quando a vir novamente, pergunte a ela o que significa defesa. Talvez você se surpreenda com a resposta. Assumindo que você já tenha tido algum tipo de convívio no mundo acadêmico, provavelmente esta palavra perdeu o seu verdadeiro significado para você. Eu tenho um dicionário aqui em casa, mas é de quando eu estava no segundo grau. Nessa época farmácia era escrito com ph, além do Continue lendo

O Caminho do Monge Guerreiro: a falsa dicotomia entre campo e laboratório

O Caminho do Monge Guerreiro: a falsa dicotomia entre campo e laboratório

Nos idos da década de 90,  a internet era quase uma entidade. Pelo menos era assim no interior de Minas. Havia cochichos pelo corredor do colégio do tipo: Aquele cara tem internet em casa… Oooooooohhh Nessa época, no auge do marasmo do 2º Grau e displicência adolescente, o tempo em sala de aula era dividido entre dormir e ler As Brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley. Estava tão absorto com a história que matava aula para ficar na biblioteca da escola pesquisando sobre o contexto Continue lendo

Selfies na floresta: armadilhas fotográficas e os novos caçadores

Selfies na floresta: armadilhas fotográficas e os novos caçadores

Durante a graduação, no interior de Minas Gerais, ia com frequência ao Parque Estadual da Serra do Brigadeiro. Lá, antes da implementação da sede e estrutura atual, havia uma casinha de pesquisa onde ficávamos alojados. Numa destas viagens, lembro de acompanhar uma conversa entre dois professores na mesa. Entre doses de pinga para espantar o frio da noite, um deles — meu orientador na época — falava da frustração de nunca ver os muriquis na Serra, e da dificuldade de se encontrar alunos interessados em trabalhar com Continue lendo

O encontro de Goethe e The Doors

O encontro de Goethe e The Doors

Maria de Lourdes era chamada carinhosamente de “Dona Filinha” por todos que a conheciam em Carangola, Minas Gerais. Eu a chamava de vó. Vó Filinha era cheia dos ditados e das sabedorias mineiras dos rincões da saudosa Zona da Mata, nos sertões do leste. Entre as não poucas citações de vó Filinha, duas me trazem um sorriso no rosto quando lembro. A primeira era a de que os morcegos não eram “bichos” enquanto classe, mas sim ratos! Rato – dizia minha vó – depois que Continue lendo

Wilsinho e a onça

Wilsinho e a onça

Arrumando os equipamentos para a próxima expedição do projeto Desenvolvimento de Tecnologias para Valoração de Serviços Ecossistêmicos e do Capital Natural em Programas de Meio Ambiente (haja fôlego), estava lembrando com nostalgia da primeira vez que encontrei com uma onça-pintada em campo. Na época já havia participado de capturas e tido a sorte de ver o bicho na barranca do rio. Mas considero esta a primeira pois uma coisa é tirar fotos de dentro da segurança do carro ou barco… Já encontrar com uma onça-pintada andando Continue lendo