Ipês em flor

Gosto de compartilhar belezas e alegrias. Pois essas são as qualidades do tempo dos ipês, florindo agora como nunca pelas nossas matas afora. É tanta beleza que nos dá uma sensação de êxtase, e tanta alegria que nos pegamos sorrindo para nós mesmos. Tem coisa melhor?

Olhar um ipê em flor me dá um senso imenso de gratidão! Somos os felizes observadores e, por que não, cada vez mais necessários, guardiões de tamanha riqueza. Pois cabe a nós protegermos as matas e o mundo natural que resta em nosso planeta.

A humanidade usou e usa, abusou e abusa de tudo o que a cerca. As mostras de nossa incivilidade estão aí por toda parte para quem quer e quem não quer ver. Mas, como a espécie mais inteligente, não posso crer que não haja saída. Basta querer. E fazer, claro! E refazer e mais uma vez insistir até que algum resultado brote do solo que precisa ser adubado, irrigado e cuidado com trabalhos persistentes, e com a certeza de que vale a pena ir adiante com ideias que protejam a vida.

Pois é um pouco assim que funciona o IPÊ – Instituto de Pesquisas Ecológicas. Tudo começa com sonhos de como salvar uma espécie, ou melhorar a vida de pessoas que têm poucas alternativas de renda que beneficiem suas famílias e a natureza.

Ou mesmo sonhos de educar um grande número de pessoas para a sustentabilidade, única via capaz de nos levar a perspectivas equilibradas e que respeitem todas as espécies vivas, inclusive a nossa.

Foi a falta de consciência, a falta de iniciativas que precisavam ser adotadas para que a realidade mudasse que nos fez acordar para o fato de que algo precisava ser feito. E há muito a fazer!

São inúmeras frentes nas quais estamos envolvidos e muitas mais que merecem atenção. Na verdade, nosso leque ampliou-se com o tempo porque passamos a compreender melhor a complexidade presente ao tentarmos salvar uma espécie como o mico-leão preto, por exemplo, ou a anta, ou a onça, e outras. Mas, como investir recursos, tempo e energia para proteger animais e plantas quando há pessoas em condições de vida indignas?

Nosso foco precisou se ampliar e passamos a adotar em nossos programas mecanismos que trazem melhorias sociais além das ambientais. A recuperação de áreas degradadas e os reflorestamentos passaram, assim, a incluir mão de obra local, sempre que possível, de modo a trazer renda adicional aos participantes e a oportunidade de um convívio salutar com o meio natural.

Passamos a desenvolver viveiros comunitários de mudas nativas, assim como projetos agroflorestais que beneficiam gente e natureza. Artesanatos com foco nas espécies locais também fazem parte das alternativas socioambientais que oferecemos, porque são práticas sustentáveis, que dão a quem produz uma chance de conhecer melhor o que existe em suas regiões.

Mas, há anos percebemos que tínhamos que dar um passo adiante. E foi assim que fundamos nosso centro de educação, hoje conhecido como ESCAS – Escola Superior de Conservação Ambiental e Sustentabilidade.

O IPÊ sempre acreditou em compartilhar conhecimento e buscar informações que ajudem muitos a proteger o mundo natural, assim como iniciativas que possam beneficiar as comunidades locais onde quer que esses alunos atuem. É por meio de nossos alunos, sejam de cursos curtos, Mestrado ou MBA que talvez estejamos semeando mais ideias e esperanças de que mudar é possível.

Os profissionais formados pelo IPÊ assemelham-se aos ipês floridos. É gente embelezando os cenários Brasil (ou América Latina) afora. São pessoas que vêm dando belíssimas contribuições, também contaminando outros nessa vibe de que tudo é possível se de fato quisermos.

É isso que temos feito e é sempre época de semear, plantar, adubar, cuidar se desejamos ver ipês carregados de lindas flores. As belezas que observamos são provas de que esse é um caminho que vale a pena percorrermos, pois os resultados virão!

Agora, me conte nos comentários: qual é a sua visão para a conservação e a sustentabilidade na nossa sociedade? Vamos conversar 🙂

10 Comentários


  1. Lindo o texto! Inspirador! A sustentabilidade só é possível com a cooperação! E todos nós seres humanos somos agentes cooperadores, para criação da realidade que desejamos! É muito inspirador acompanhar as postagens de vocês no site Ipê, e agora com o blog melhor ainda! Apresentei num trabalho da faculdade semestre passado, a história da conservação do mico-leão -preto,foi incrível poder contar as pessoas o que a persistência de pessoas como vocês foi capaz de fazer para esta espécie e para os moradores locais! Empoderar com conhecimento pessoas que vivem da terra é a melhor estratégia para vida sustentável! Obrigada por compartilhar conosco esse sonho tão real! A paz!

    Responder

    1. Obrigada, Thatiana! Que delícia ler sua mensagem com tamanho apoio e compreensão do que fazemos. Ficamos super felizes em saber que estamos bem acompanhados! Gratidão!

      Responder

  2. Aos olhos do sapiens pecuarista nessa época do ano na região norte o pasto está seco e preocupante, pois seu gado limita a dieta.
    Aos olhos da boiada, um privilégio ruminar deitado na sombra de um ipê florido; o restante são detalhes.

    Responder

  3. Aos olhos do sapiens pecuarista nessa época do ano na região norte o pasto está seco e preocupante, pois o gado precisa limitar a dieta.
    Aos olhos de um boi, um sublime privilégio poder ruminar deitado na sombra de um ipê florido; o restante são detalhes…
    Parabéns pelo post!

    Responder

  4. Ipê amarelo

    Coloridos pés de Ipês
    felizes em amarelo intenso!
    Meu coração tanto neles crê
    que lágrimas umedeço o lenço…

    Avante, mudas a plantar,
    para o mundo todo também ser feliz!
    Dançantes pétalas ao vento
    buscando vida em existir..

    Amarelo ipê,
    alegre amarelo floriu
    é a árvore simbolo do Brasil…

    Mauricio Mariot

    Responder

  5. Orgulho em saber que essas pessoas e essa instituição contribuiu com o meu crescimento como pessoa e como profissional. Orgulho-me ainda de poder contribuir com os projetos parceiros (ESCAS/INCAB/Tatu Canastra). Orgulho-me ainda mais em compartilhar momentos com os amigos que lá fiz. Parabéns Suzana e Claudio pela iniciativa de viabilizar mais um canal de comunicação do IPE com a sociedade.

    Responder

    1. Obrigada, Rafael! Esse é um caminho que vale a pena para nós, gente, e para a natureza!!!! Que bom que você fez/faz parte de nossa história!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *