Wilsinho e a onça

Arrumando os equipamentos para a próxima expedição do projeto Desenvolvimento de Tecnologias para Valoração de Serviços Ecossistêmicos e do Capital Natural em Programas de Meio Ambiente (haja fôlego), estava lembrando com nostalgia da primeira vez que encontrei com uma onça-pintada em campo. Na época já havia participado de capturas e tido a sorte de ver o bicho na barranca do rio. Mas considero esta a primeira pois uma coisa é tirar fotos de dentro da segurança do carro ou barco… Já encontrar com uma onça-pintada andando por uma trilha é outra conversa… Como bom mineiro, segue o causo!

“Uma máxima milenar de filosofia ou livro esquisotérico de auto-ajuda diz:

– Cuidado com o que deseja…

Ela continua valendo até hoje… Se você digitar isso obterá 1.320.000 resultados em 0.64 segundos no Google…

Pois estávamos eu e meu bravo escudeiro Wilson em aventuras inenarráveis no Parque Estadual das Várzeas do Ivinhema, Mato Grosso do Sul, nas atividades de campo dos projetos Detetives Ecológicos e Grandes Felinos do Alto Paraná . Atravessando quilômetros e quilômetros de brejos, pastos, aterros e o que mais se puder imaginar, volta e meia buscando tratores em fazendas para desatolar a caminhonete. Dormindo na mesma e em galpões de oficinas de fazendas, aprendendo na marra a consertar motores a diesel. Quase cheguei a concordar com alguns amigos sobre a infelicidade de uma Toyota “Band”, se não adorasse esse quase-trator. No entanto, nesta expedição a caminhote atolou diversas vezes em locais em que passava com facilidade… Quando já estava me sentindo o motorista off-road mais meia roda do mundo, descobrimos que entre os outros incontáveis defeitos a caminhote perdeu a tração 4×4. Com a honra de pesquisador de campo Jedi restaurada, continuamos nossa missão a duras penas e pernas – haja pernas para andar pelos rincões…

Apesar da exaustão física, moral baixa e – incoerentemente – prazer e satisfação (não, não somos masoquistas…) que o “varjão” consegue proporcionar, seguimos nossa missão com a segunda etapa da expedição: revisão de armadilhas fotográficas de barco pelo rio Ivinhema. Com um vento absurdo fazendo nossa lanchinha de alumínio sacudir, paramos diversas vezes. No fim da tarde, na penúltima armadilha, paramos o barco no barranco, como sempre fazíamos, e descemos. A armadilha estava a cerca de 20 metros da margem, próxima à foz em que o rio Fumaça encontra o Ivinhema. Enquanto trabalhávamos, Wilson chamou a atenção para uma cena, digamos, bizarra. Um gavião-belo morto pendurado por uma das asas em uma árvore. A asa estava presa por um anzol com chumbada e tudo. Uma ave de rapina fisgada como um peixe por uma árvore pescadora! Quem precisa de alucinógenos?

gavião-belo no Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema
“…um gavião-belo morto pendurado por uma das asas em uma árvore. A asa estava presa por um anzol com chumbada e tudo. Uma ave de rapina fisgada como um peixe por uma árvore pescadora…”

Mais tarde, quando voltávamos para o barco atravessando uma pequena trilha, o sol de fim de tarde reluzindo no rio criava uma jogo de luz e sombras nas árvores. Quando de repente uma das sombras pulou da árvore e cruzou rapidamente a beira do barranco. A sombra de um felino com mais de 80 quilos em trote rápido seguindo na direção do barco.

A onça!!! Gritou Wilson, ao mesmo tempo em que meu corpo reagia instintivamente à visão bombeando litros de adrenalina pelas veias, fazendo meu coração querer criar pernas e sair correndo…

[email protected]#$%^&*!!! Cadêla??? Pronkafoi??? Cetavenela??? *&^%$##@!!! — Gritei por minha vez em bom mineirês assustado.

Nos movemos devagar e conseguimos ver através da vegetação algumas pintas se movendo… calmamente!?!? Deitada? Se lambendo no barranco logo acima de onde deixamos o barco!!! Ué, cadê a besta-fera das florestas neotropicais? Ficamos lá extasiados pelo misto de medo, alegria, emoções indescritíveis e… surpresa! Ela estava lá – e provavelmente esteve a nossa volta todo o tempo que passamos ali, julgando pela direção de onde veio – tomando seu banho de gato no entardecer do Ivinhema, praticamente ignorando o dois grandes primatas bípedes que ficavam cochichando sobre o que deviam fazer.

Primeiro pensei: O que Sasha Siemel faria? Não, não é uma boa idéia… Hummm. O que Brian Boltano faria? Difícil avaliar essas coisas… Vamos improvisar…

— Temos que chegar no barco, Wilson! — A essa altura já estávamos conversando normalmente, quase que ofendidos com a esnobe onça que mal olhava para nós.

— Como, com a onça lá? — Respondeu Wilson.

— Preciso de pelo menos uma foto! Vamos chegar mais perto, Wilson? Vamos até aquela árvore! Vamos manter sempre alguma coisa entre nós e ela!

Muitas fotos, até um videozinho, mas as fotos (e o vídeo) ficaram muito ruins com a luz do interior da mata contra o reflexo do rio. Hummm…

— Pega o tripé lá no barco, Wilson! Hehe!!!

— Vai você, mineiro!

onça-pintada no Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema.
“…Ela estava lá – e provavelmente esteve a nossa volta todo o tempo que passamos ali julgando pela direção de onde veio – tomando seu banho de gato no entardecer do Ivinhema, praticamente ignorando o dois grandes primatas bípedes que ficavam cochichando sobre o que deviam fazer…”

Passados mais de quinze minutos desde que a vimos pela primeira vez, resolvemos dar um jeito de sair dali. Volta e meia ouvíamos um ruído surdo e abafado de algo parecido com um serrote nas proximidades…

Cada vez que o som se repetia, ela olhava na direção do barulho como quem está esperando que o tal do serrote venha andando.

— Wilson, acho que é um casal…

Resolvemos não ficar para o encontro. Não fomos convidados, nem nada, não seria muito educado. O bom convidado sempre sabe a hora de ir embora. Até por que quando onças estão em casal elas podem estar interessadas em coisas que devem preferir fazer a sós, vai que rola um clima…

— Vamos gritar!

— Gritemos!

— Haaaaaaaaa, iaaaaa, shazaaaammm, pelos poderes de Grayskull, espada justiceira, são Looonnnguiiiinho…

— E… Nada… A onça ficou olhando para nossa cara, quase rindo da “presepada”…

— Vamos jogar um pau nela! — Disse Wilson.

— Vamos lá! — Respondi.

Como os primeiros hominídeos correndo de tigres-dente-de-sabre, jogamos paus na direção de nosso temido e adorado objeto de estudo. Dona Chica teria se admirado com os dois malucos politicamente incorretos atirando paus no gato…

Ela só saiu o suficiente para sumir de vista e se escondeu atrás de uma árvore. O que nos deu tempo de, aos trancos e barrancos, quebrar o recorde mundial de corrida, entrada e partida em barco a motor. Tão logo o barco começou a descer ao sabor da corrente, ela voltou e deitou no mesmo lugar! Só saiu quando ligamos o motor.

Descemos o Ivinhema rumo ao pôr-do-sol com sensações que não podem ser descritas pela linguagem falada ou escrita. No fim, tudo que pensava no final do dia eram nas palavras de Edgar Allan Poe:

“… And my soul from out that shadow that lies floating on the floor shall be lifted – nevermore!”

Wilson
“Descemos o Ivinhema rumo ao pôr-do-sol com sensações que não podem ser descritas pela linguagem falada ou escrita.”

[pH]

assinatura_fernando

13 Comentários


  1. Que bela narrativa no qual se pode perceber o êxtase ,medo euforia tudo em suas devidas proporções

    Responder

  2. Muito bom !!!
    Fer, faltou apenas o pão de queijo e o café p/ escutar vc contando essa aventura maravilhosa…

    Responder

  3. Grande aventura, contada com uma pitada de humor nerd. Ficou muito bom!

    Responder

  4. Nossa.. que experiência maravilhosa !!! Sonho em ver uma assim, em seu ambiente natural. Adorei a historia e a forma a qual foi dissertada. Parabéns !!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.